Arquivo de junho, 2009

…por Caetano.

Por mais que ele tenha posturas insólitas e comentários bizarros às vezes, a sua genialidade musical é indiscutível. Esta música em especial me toca muito. A composição é de Gilberto Gil, outro gênio, embora meio perdido nos últimos anos.

A voz de Caetano me traz uma paz tal qual os louvores de um religioso. Meio blasfêmico, mas respondentes são respondentes, não importa a topografia dos operantes envolvidos (momento behaviorês).

Eu poderia escrever metros de post sobre essa música. Mas meu olho fecha e minha boca sorri quando ela toca, daí não dá pra digitar ou falar sobre, rs.

Drão.

(Clique no ícone do youtube pra ver o vídeo lá.)

Anúncios

ok. Escute Caetano cantando primeiro, pro seu coração desmanchar. Depois vc diz se concorda comigo.

Faltava abandonar a velha escola
Tomar o mundo feito coca-cola
Fazer da minha vida sempre
O meu passeio público
E ao mesmo tempo fazer dela
O meu caminho só
Único

Talvez eu seja
O último romântico
Dos litorais
Desse Oceano Atlântico…

Só falta reunir
A zona norte à zona sul
Iluminar a vida
Já que a morte cai do azul…

Só falta te querer
Te ganhar e te perder
Falta eu acordar
Ser gente grande
Prá poder chorar…

Me dá um beijo, então
Aperta a minha mão
Tolice é viver a vida
Assim, sem aventura…

Deixa ser
Pelo coração
Se é loucura então
Melhor não ter razão…

ou

em homenagem ao meu amigo Pedro,

entre a rotina certa e o desmantelo, eu sou mais o desmantelo.

ou

numa versão mais escatológica,

vai dar merda, mas eu quero sentir é a catinga pra confirmar.

kkkkkkkkkkkk!

seja o q deus quiser.


Num país onde a formação profissional virou comércio, o STF acaba de iniciar um movimento perigoso em direção à banalização das profissões: em decisão quase unânime extinguiu a necessidade de diploma para a profissão de Jornalista. Essa decisão revela a falência da nossa sociedade quanto à educação no Brasil. Se as pessoas que trabalham com a informação diária, os formadores de opinião desse país, não necessitam de um diploma profissional que os habilite, que garanta uma formação ética e responsável no manejo dessas informações, qual a importância do diploma, então? Banalizar uma profissão é passo inicial para a banalização de várias outras: à medida que eu, como público em geral, não sei qual a especificidade de uma profissão, acredito que qualquer um pode exercê-la. Se psicólogo apenas ouve, conversa, bate-papo, dá conselhos, também eu, blogueiro da internet, posso fazê-lo, por que não? Quem me impede? E essa é a questão.

Quem impede são os conselhos profissionais, que regulam a especificidade de cada profissão e impedem os excessos. Dessa forma, fiquem atentos os conselhos profissionais para a banalização de suas áreas. Como psicóloga, e aterrada com a ideia de que, daqui a alguns anos minha profissão torne-se banalizada, me solidarizo com os amigos jornalistas, e venho demonstrar imensa decepção com o silêncio dos meios de comunicação acerca disso.

De Brasília, em meio a um silêncio constrangedor, Julianna Barbosa. Psicóloga. Jornalista?

Em uma referência atrasada ao dia dos namorados, presto um (des)serviço público:

Se todos fossem iguais a você… aiai…

Rapte-me camaleoa
Adapte-me a uma cama boa
Capte-me uma mensagem à toa
De um quasar pulsando lôa
Interestelar canoa…

Leitos perfeitos
Seus peitos direitos
Me olham assim
Fino menino me inclino
Pro lado do sim…caetano

Rapte-me
Me adapte-me
Me capte-me
It’s up to me
Coração
Ser querer ser
Merecer ser
Um camaleão…

Rapte-me camaleoa
Adapte-me ao seu
Ne me quitte pas…

Ou isto ou aquilo

Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo . . .
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Cecília Meireles

Publicado: junho 13, 2009 em inícios... u.u

Sou um animal sentimental
Me apego facilmente ao que desperta meu desejo
Tente me obrigar a fazer o que não quero
E você vai logo ver o que acontece.
Acho que entendo o que você quis me dizer
Mas existem outras coisas.

Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade,
Tudo está perdido mas existem possibilidades.
Tínhamos a idéia, mas você mudou os planos
Tínhamos um plano, você mudou de idéia
Já passou, já passou – quem sabe outro dia.

Antes eu sonhava, agora já não durmo
Quando foi que competimos pela primeira vez?
O que ninguém percebe é o que todo mundo sabe
Não entendo terrorismo, falávamos de amizade.

Não estou mais interessado no que sinto
Não acredito em nada além do que duvido
Você espera respostas que eu não tenho mas
Não vou brigar por causa disso
Até penso duas vezes se você quiser ficar.

Minha laranjeira verde, por que está tão prateada?
Foi da lua dessa noite, do sereno da madrugada
Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo.

texturas - by catarinaFoto: Texturas, por Catarina Santiago.