Arquivo de julho, 2009

fine, both sides

Publicado: julho 25, 2009 em english stuff

It seemed just a fine Dayboth sides

It was fine, I was fine

But babe what’s the matter, what’s the matter now?

Just seemed fine and now it crushes into my mind

I seemed fine, I waited

I just cared a lot, and I disagreed

And babe where are you

Both of you

Seem to need a way now

Both ways now

Oh, oh, babe, what do I really need now?

Where are you now?

What’s the matter how

Just come on right now

If I feel fine

If I’m not all right

What’s the matter now

Are both sides right

Just come on

Don’t let me cry

e o som deveria sair mais ou menos assim:

Anúncios
Qualquer semelhança com o famoso discurso de Martin Luther King é totalmente proposital.

“Eu digo a vocês hoje, minhas amigas, que o feminismo em seu sentido mais extremista está morto. Sabemos que as relações entre os gêneros vem então se complicando. Que a insatisfação com a vida amorosa vem ultrapassando as fronteiras entre gêneros e se tornando um problema para ambos. E que as formas de se relacionar vem passando por transformações inimagináveis.

Mas eu digo a vocês hoje, minhas amigas, eu tenho um sonho. Eu ainda tenho um sonho enraizado no sonho da liberdade e auto-estima das mulheres.

Eu tenho um sonho de que um dia as moças se levantarão, e viverão suas vidas com satisfação, e terão empregos e diversão e lazer, e seus relacionamentos serão mais uma coluna de sustentação de seus lares, ao invés de ser a única viga a sustentar um teto sobre suas cabeças.

Eu tenho um sonho que um dia, minhas amigas, seremos julgadas pelas nossas realizações e pelo sorriso estampado em nossos rostos, ao invés de por nossos status de relacionamento no Orkut.

Eu tenho um sonho de que um dia nossa auto-estima se levantará, e nossos discursos não serão falsos “pego-não me apego”. Um dia, nossas vidas serão preenchidas, nossos corações estarão cheios, e um amor será parte de nossa felicidade, não a única parte dela. Nosso amor será aquele para quem olhamos para dividir nossa felicidade e não aquele para quem olhamos sem conseguir ver mais nada ao redor.

Esta é a nossa esperança. É com esta fé que mantenho meu blog e conversas de MSN com as companheiras. Com esta fé, podemos trabalhar juntas e motivar e ensinar novos repertórios de habilidades sociais e variabilidade comportamental umas às outras. E assim, quem sabe um dia, seremos livres. E possamos cantar canções do Roberto Carlos com um novo significado, que não é o pesar do amor ausente, mas a satisfação do “Roberto é um puta compositor mesmo!”, com um sorriso no rosto.

Nesse dia, ouvirei o sino da liberdade na Igreja São Benedito, e ouvirei os companheiros nos agradecendo por findar o desespero nos relacionamentos, e seremos livres.

Livres, afinal. Livres, afinal.”

Calvin e o frio… =D

Publicado: julho 8, 2009 em cotidiano

calvin6

sobre o frio

Publicado: julho 8, 2009 em cotidiano

calvin5

calvin4

Olha a cara do Haroldo no terceiro quadrinho…kkkkkkkkkkkkk…amo o Haroldo, ele me lembr alguns amigos mais sábios que eu.

Seguindo a linha dos posts sobre a morte de Michael Jackson, me limito a dizer que ele foi o maior exemplo da série de ensinamentos: como a mídia e a desestrutura familiar podem destruir a vida de uma criança.

Desde a infância coagido e controlado por punições e abusos de diferentes pessoas, crescendo como uma figura mítica, o desenvolvimento emocional de uma criatura dessas não tinha como ser normal. Excesso de exposição e atenção social por seu desempenho artístico, apresentados na mesma medida que punição e eventos aversivos pelo mesmo desempenho. O ídolo de uns e alvo de piadas de outros. Tudo isso numa medida estratosférica, centenas de vezes em maior magnitude do que o encontrado na vida real.

Os resultados não poderiam ser menores que a estimulação e os operantes envolvidos. Se os produtos da coerção são revolta e rebeldia, raiva, além de incontrolabilidade de contingências, isto é, sensação de que por mais que você faça, nada te traz recompensa, definido nas práticas culturais atuais como depressão e risco de suicídio, tente avaliar esses resultados quando a magnitude dos eventos é do tamanho da vida do Rei do Pop.

Fica o conselho: seus filhos não precisam ser recompensados pelo desempenho. Eles precisam ser recompensados por comportamentos adequados socialmente sim, mas, principalmente, eles precisam ser recompensados com atenção social não-contingente. Para leigos: ele precisa ser amado. Independente de qualquer desempenho.

Crianças como Maysa e atores mirins super expostos e seu filho que precisa ser o melhor da natação ou o melhor da escola, estão no mesmo barco, apenas em magnitudes diferentes. Cuidado. Cuidado com o adulto que você irá produzir.