Resposta a alguém que acha homossexualidade uma doença…

Publicado: janeiro 28, 2011 em cotidiano, inícios... u.u, O que eu não entendo...

… e que quer ter o direito de expressar-se contra a conduta gay de terceiros:

 

“Agora falo como psicóloga:

Uma pessoa que apresente um traço, conduta, característica ou comportamento que traga insatisfação pessoal, problemas ou dificuldades de interação social, ou que seja contrário a alguma crença dentro da qual foi criado, não significa que deva-se eliminar tal comportamento. É necessária uma análise funcional rigorosa que possa identificar quais as contingências mantenedoras dessa insatisfação. “Quero deixar de sentir tesão por outro homem ou por outra mulher” não é uma demanda fechada. Principalmente, porque não são essas as queixas. As queixas são sentir nojo durante o ato sexual, sentir-se deprimido após o ato, ou sentir-se sujo, apresentar um quadro de ansiedade geral na presença de pessoas do mesmo sexo, e principalmente, esconder-se para realizar o ato sexual. Não sei se vc conhece, mas existem as mesmas queixas em pacientes heterossexuais. Qual deveria ser a conduta do terapeuta? Eliminar o desejo dela por pessoas do sexo oposto?
A orientação geral do CFP e do código de ética é de utilizar-se de intervenções que eliminem qualquer desses sintomas para que, assim, a pessoa venha a compreender sua orientação. Se não houvesse esses fatores sociais que trazem os sintomas acima citados a pessoas de orientação homoafetiva, talvez pudéssemos considerar a procura espontânea como argumento que justifique a eiminação (ou sua tentativa) do desejo por pessoas do mesmo sexo.
Você afirma que as pessoas DEIXAM de ser gays. O que acontece é que você não vê aquela pessoa praticar ou falar sobre sexo  com pessoas do mesmo sexo. Você não mensura se ainda há ou não o desejo. Será se esta pessoa está curada ou simplesmente está CALADA?
Dessa forma, a questão está superada pela OMS, pelas orientações à saúde nacionais, regionais e por pesquisadores e cientistas sérios e, mais importante para esta discussão, pelo código de ética dos profissionais de psicologia. Se essa psicóloga atende gays para tratamento, ela está cometendo uma conduta criminosa, contrária ao código de ética que a rege enquanto PROFISSIONAL. Se ela quiser pensar assim como leiga, na sua igreja, na sua casa, isso não importa. Mas não pode e não deve atuuar PROFISSIONALMENTE segundo uma crença pessoal.
Outra coisa que devemos nos perguntar, nós psicólogos também, é: a pessoa “curada” está satisfeita, atendida? Ou apenas aliviada? E eu te explico a diferença: alguém que sofre de uma fobia social forte e tem crises agudas de ansiedade quando na presença de outras pessoas passa a não sentir esses sintomas, mas se ficar o tempo todo em casa. Ela está curada? Ou apenas aliviada? O contato social é algo do qual não se pode abrir mão, então, mudar a conduta é conseguir realizar o contato social sem apresentar esses sintomas de ansiedade. Recusar o contato para não sentir todos os respondentes, não ter a crise, não é cura, é evitação. Então, essas pessoas não tem mais desejos por pessoas do mesmo sexo? Ou apenas evitam esse contato para atender às expectativas sociais e religiosas de seu grupo cultural e social?
Mais uma vez eu tento deixar claro meu ponto de vista, que é de aceitação, que é de amor, talvez muito mais cristão do que a perseguição que algumas instituições promovem: é justo que você queira que uma pessoa viva de acordo com um dogma que é bom aos olhos de um determinado grupo, mas que destrua ela emocionalmente?
Se fosse um filho seu, o que você faria? “Trataria-o” e o veria suicidar-se aos 40 anos, vítima de um sentimento sufocado por anos? Negaria que ele, mesmo casado e com filhos, some de vez em quando, na saída do trabalho, pra ter relações que considera suja, mas não consegue evitar, com garotos de programa ou sem nenhuma afetividade envolvida? Ou permitiria que ele lidasse com esse sentimento, dando-o liberdade de ter uma relação amorosa saudável, estável e feliz, mas com uma pessoa do mesmo sexo?
O problema, meu amigo, não está em quem sente, está nos olhos de quem vê. Saia um pouco do seu dogma. Coloque-se no lugar do outro. Tenha empatia. Ame seu irmão e aceite-o como ele é. Jesus disse isso. Jesus nunca disse: persiga, mate, aponte o dedo, julgue.
Só pra terminar, gostaria que você parasse de falar que “nós, cristãos” pensam assim. Sou cristã, espírita, com dogmas e fé, mas consigo observar nas palavras de Jesus que deve haver caridade. Por mais que você não concorde com a orientação homoafeitva, não é você que deve apontar o dedo na cara de uma pessoa que já sofre o suficiente os preconceitos dessa nossa sociedade que não olha os próprios defeitos. Deixe que as pessoas vivam algo que não lhes faz mal, nem faz mal a você. Se assim, livres dessa exclusão social, essas pessoas ainda quiserem eliminar essa orientação, aí sim poderemos discutir.”

Por favor, se você discorda de uma conduta, que vai contra os seus princípios ou contra a religião que você cresceu e que seu grupo cultural acredita, antes de apontar seu dedo na cara de alguém, pense em duas questões básicas:

1. Essa conduta me prejudica? Me atinge diretamente? Atinge à minha saúde? Me faz mal porque me atrapalha na minha vida social?

2. Essa conduta prejudica a pessoa a quem a pratica? Tolhe seus direitos, machuca-a de alguma forma? Torna-a menos saudável?

Se a respostas a essas perguntas forem NÃO, então não seja totalitário e não permita que uma crença sua torne a vida das pessoas mais difícil. Olhe pro seu umbigo e mude em você o que ainda está errado. Tenho certeza de que será trabalho suficiente para toda uma existência.

Anúncios
comentários
  1. Fabrício disse:

    Tem coisa mais triste que ouvir pessoas que se dizem religiosas pregarem o ódio e a intolerância, como o Pr. Silas Malafaia (“se toda prática deturpada, pecaminosa, imoral for legalizada, onde vai parar a nossa sociedade? Se a sociedade legalizar suas aberrações, ela se destruirá. Um erro moral nunca pode ser um direito civil”)? pior ainda é saber que políticos, como o Dep. Jair Bolsonaro, dizem em palanque que gays são o escárnio da sociedade,,, enquanto isso o mundo inteiro assiste à Westboro Baptist Church nos EUA que em funerais e em eventos públicos levantam suas faixas “God hates fags” e “Thanks God for dead soldiers”, como se uma coisa estivesse relacionada à outra, ou seja, a morte dos soldados fazem relação à permissividade com os gays nos EUA rsr em 2009 a orientação sexual foi o segundo maior motivo de crimes motivados pelo ódio, foi maior que os crimes pela intolerância religiosa e só não superou os crimes praticados contra raça.
    Enfim, semana passa um ativista gay da Uganda foi assassinado após ser colocada uma foto sua no jornal. Por quê publicaram a foto dele? Porque ele é gay… lá isso é crime e há perseguição aos que se afirmam como tal… ele não se calou…
    O mundo é esse,,, o Estado laico não pode ser afetado porque a maioria da população se diz religiosa ou detentora de preceitos morais e dogmas,, o Estado existe para o bem coletivo, a paz social e a preservação da propriedade,, religião cada um tem a sua e a vida também! cada um tem a sua e a vive como quiser,, desde que não afete o direito alheio,,,

  2. julianna disse:

    É isso aí, Fabrício! As pessoas se escondem atrás de uma regra que fala que existe liberdade de expressão e passam a achincalhar e denegrir a imagem daqueles que não compartilham da sua crença. E isso leva a várias atrocidades.
    Vamo olhar pro nosso umbigo, gente!

    Bjão! Obrigada por comentar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s